Com uma grande atuação o Sport vence o Santa Cruz por 3×1 em pleno Arruda

Para dois personagens, o clássico de ontem tinha um significado especial. Para Mazola, a vitória representou a manutenção do cargo de comandante rubro-negro. Para Marcelinho Paraíba, que venceu o duelo particular com o “carrapato” Everton Sena, a ratificação da grande fase do camisa 10 leonino.Mazola não inventou. Fez o básico. Armando o time no 4-4-2, as surpresas ficaram por conta das presenças de Renê, na lateral esquerda, e da estreia de Jael no ataque. E com uma postura consistente, os rubro-negros assimilaram a pressão da ousada postura tricolor. “Estamos quase chegando ao ponto ideal. Esperamos agora que o time engrene de vez e nós possamos ter uma estabilidade no campeonato”, destacou Mazola.

O bloco rubro-negro antecipou o carnaval pernambucano. Popular como sempre, o Clássico das Multidões em um Arruda repleto, na noite desta quinta-feira, terminou com uma grande festa da torcida do Sport, que viu o time jogar com uma organização tática impressionante e impôs ao Santa Cruz a primeira derrota em seu estádio nesta temporada. Vitória por 3 a 1,com tentos de Jheimy, Marcelinho Paraíba e Milton Júnior. O Sport termina a rodada em terceiro lugar, com 20 pontos, e, para completar, deixa o maior rival fora do G4 no carnaval.

Aos 28 minutos, a primeira grande chance do primeiro tempo. Num contragolpe, Marcelinho deixou Jael livre na grande área. O atacante bateu de primeira, fraco, nas mãos de Diego Lima. Nervoso, Jael acabou sendo advertido com um cartão amarelo logo depois, ao tentar cavar um pênalti. Outra importante advertência foi para Everton Sena, que derrubou Rivaldo. Até ali, o jovem zagueiro coral ia contendo o avanço de Marcelinho. A cada desarme, festa da torcida tricolor.

Jheimy, que não fazia uma boa partida, acabou sendo decisivopara o Leão. Aos 43 minutos, Marquinhos Paraná foi acionado pelo lado direito, livre, livre. Ele teve tempo para esperar o posicionamento dos atacantes na grande área e cruzou na medida para o Jheimy, que cabeceou firme, sem chance para o goleiro, 1 a 0.
Insatisfeito com o rendimento ofensivo do time, Zé Teodoro fez duas mudanças no intervalo. Tirou Bala, apagadíssimo em campo, e Caça-Rato. Entraram o volante Sandro Manoel, para reforçar a marcação, e Jefferson Maranhão, para botar fogo jogo, nas palavras do próprio jogador ao entrar. Enquanto isso, Mazola manteve a formação.

Aos 15, o Santa fez a sua última alteração, com a estreia do atacane Geilson, no lugar de Luciano Henrique, cansado. O Leão seguia bem postado em campo, mantendo a tranquilidade. Aos 22, Rivaldo fez grande jogada pelo lado esquerdo e cruzou na área. Jael ia encher o pé quando a zaga cortou, mas cortou mal. A bola sobrou para Marcelinho, que bateu de direita, ampliando no Arruda. A partir dos 35 minutos, gritos de olé da torcida rubro-negra, começando de vez o carnaval. O auge da festa veio com a goleada, aos 44, com Milton Júnior, num contragolpe. André Oliveira ainda descontou no último lance, de cabeça. Mas não teve jeito. Nesta noite o Recife se preparou o Leão da Madrugada.

Ficha técnica:

1 Santa Cruz
Diego Lima, Diogo, Leandro Souza, André Oliveira e Dutra; Everton Sena, Memo, Luciano Henrique (Geílson) e Carlinhos Bala (Jefferson Maranhão); Dênis Marques e Flávio Caça-Rato (Sandro Manoel). Técnico: Zé Teodoro.

3 Sport
Magrão, Moacir, Tobi, Bruno Aguiar (Montoya) e Renê; Hamilton, Rivaldo, Marquinhos Paraná (Diogo) e Marcelinho Paraíba; Jheimy e Jael (Milton Júnior). Técnico: Mazola Júnior.

Local: Arruda. Árbitro: Ricardo Tavares. Assistentes: Jossemar Diniz e Wilton Lins. Gols:Jheimy, Marcelinho e Milton Júnior. (S). Cartões amarelos: Caça-Rato, Diogo, Bala e Everton Sena (SC); Hamilton, Jael e Jheimy (S). Público: 45.109. Renda: R$ 651.750

Comentários

1 comentário

Leave A Reply