Sport e Náutico no embalo das lideranças das Séries A e B

O Brasileirão, por enquanto, tem sotaque pernambucano. Após três rodadas, Sport e Náutico lideram as duas principais divisões do futebol brasileiro. Na Série A, o Leão está invicto (sete pontos), enquanto na Segundona o Timbu tem nove, com 100% de aproveitamento. Na era dos pontos corridos, é a melhor largada de rubro-negros e alvirrubros nas respectivas divisões – veja quadro ao lado.

Para os comentaristas do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC), as mudanças de postura e de peças foram fundamentais para a arrancada dos clubes nessas primeiras rodadas do Brasileirão. Os números positivos, porém, não podem camuflar a realidade dos clubes, que precisarão mostrar a força do elenco para conseguir bons resultados em um campeonato longo, com 38 rodadas.

Pelo lado alvirrubro, as mudanças após as eliminações da Copa do Nordeste e do Pernambucano foram fundamentais. “O Náutico teve um acréscimo de qualidade, estreando um time inteiro na Série B. Com tempo para treinar, Lisca pode melhorar a equipe, que evoluiu em todos os setores”, explicou André Luiz Cabral, comentarista da Rádio Jornal.

Mesmo ainda precisando de reforços, o elenco timbu acredita que uma boa largada na Série B é fundamental para encontrar uma regularidade na competição. “Em um campeonato longo como esse é preciso um elenco forte, pois todas as equipes irão enfrentar problemas com cartões ou lesões de jogadores. Mesmo assim, é sempre bom largar na frente, brigar entre os primeiros. Difícil é olhar para a parte inferior da tabela, com times com um ou dois pontos. Em torneios tão equilibrados, fica difícil correr atrás depois”, afirmou o volante William Magrão.

No lado rubro-negro, para Álvaro Filho, editor do Blog do Torcedor, do portal NE10, o Sport não precisou mexer em tantas peças para reagir no ano. “Foi uma questão motivacional. Alguns jogadores talvez não entendessem, desde o início, a importância do Pernambucano e do Nordestão. O mesmo time do Leão, que se arrastava, está firme na Série A”, explicou.

Outro aspecto do rubro-negro que foi corrigido na Série A foi a postura tática dentro de campo. Se no Pernambucano, o Leão tinha dificuldade para entrar em defesas mais retrancadas, no Brasileirão, jogar no contra-ataque está fazendo a diferença. “Esse time de Eduardo Baptista foi montado, desde o ano passado, para se defender e jogar no contra-ataque. No Brasileirão, contra grandes times, ele consegue usar essa estratégia. Esses últimos jogos já mostrou um Sport mais compacto, aproximando os setores”, ressaltou Carlyle Paes Barreto, colunista do JC.

Comentários