Sargento investigado por assédio a policiais mulheres na UPP Santa Marta é afastado das ruas: “Não admito”, diz comandante

Um dia após o EXTRA revelar que um sargento da UPP Santa Marta, comunidade na Zona Sul do Rio, é alvo de uma averiguação da Corregedoria da PM para apurar assédio a policiais femininas, a comandante da unidade, tenente Tatiana Lima, afirmou que não vai admitir a prática. O sargento, que foi citado numa denúncia anônima enviada à 8ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM), foi afastado de suas funções. Até o final das investigações, ele vai realizar atividades administrativas e não supervisionará mais os demais policiais. O policial, entretanto, continuará trabalhando na UPP.

– Vou tomar todas as medidas cabíveis, pois sou mulher e não admito esse tipo de comportamento. A figura da policial feminina na UPP é essencial. Exijo respeito – afirmou a oficial, que está fazendo um curso em El Salvador e volta ao Brasil na próxima semana.

A presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa (Alerj), deputada Martha Rocha (PSD), afirmou que vai convocar a PM para uma audiência pública sobre o tema. Ao EXTRA, uma PM da unidade afirmou que o sargento tentou beijá-la à força. Segundo a policial, que pediu para não ser identificada, as mulheres da unidade têm medo de denunciar o sargento, por ele ser superior hierarquicamente.

– O assédio em unidades militares, infelizmente, é comum e pouco punido, porque, por conta da hierarquia, as mulheres têm medo de denunciar. Vamos chamar representantes da PM para garantir que o caso seja apurado com rigor – afirmou a deputada.

Já o governador Luiz Fernando Pezão prometeu que a denúncia será investigada.

– Não tem um policial que tenha cometido um deslize, que nossa área de segurança não tenha agido.

De acordo com a denúncia anônima enviada à 8ª DPJM, uma suposta vítima conta que o sargento remanejava as policiais femininas de função para que elas ficassem sozinhas na base da UPP com ele. “Por várias vezes, quando estava escalada na tropa no policiamento ordinário, ele remanejava para a base na intenção de assediar, pois se privilegiaria do seu poder de manipulação”, afirma o texto. Ao fim da investigação, o sargento pode responder pelo crime militar de atentado violento ao pudor, com pena de dois a seis anos de reclusão.

Comentários