'Sabem que sou bissexual e isso ajuda', diz Tati Zaqui sobre assédio feminino

Aos 21 anos, Tati Zaqui é o novo fenômeno do funk. A cantora, que ficou famosa com o hit “Parara-tibum”, estourou depois que apareceu nua na capa de julho da revista “Playboy”. “O telefone não para de tocar, estou com a agenda de shows cheia”, contou ela, antes de se apresentar no “Baile das poderosas” na madrugada desta quinta-feira, 9, em São Paulo. O cachê também subiu, segundo ela: “Tem que aumentar, né? Sou capa da ‘Playboy’ (risos)”.

Galeria: Tati Zaqui e Belo se apresentam em evento em São Paulo

Durante a apresentação, Tati é chamada de “gostosa” por homens e mulheres. O assédio feminino é alto e a cantora acredita que isso também se dá por ela nunca ter escondido a sua bissexualidade. “Depois que saí nua então, percebi um olhar diferente das pessoas. No show, pedem para eu tirar a roupa. Meu público GLS também é muito grande, as mulheres ficam loucas. Sabem que sou bissexual e isso ajuda a chamar a atenção das mulheres”, afirmou.

Sem Photoshop
Diferente da maioria das funkeiras, Tati é bem magra, sem curvas exageradas. Ela garante que, mesmo assim, é cheia de sensualidade. “Posei nua também para mostrar para todo mundo que os homens não gostam só de mulheres mais cheinhas. Tem magrinha sensual, gordinha sensual. Todo mundo pode ser sensual do seu jeito”, opinou.

Se foi usado Photoshop para deixá-la com o corpo mais perfeito, Tati deixou claro que não. “Teve Photoshop para mudar a cor, a luz, mas para aumentar ou diminuir alguma coisa não. Quem fala que tem Photoshop, eu fico feliz, porque se fala isso, é porque o ensaio está muito bom”, disse.

Comentários