Quem és tu sociedade?

Não admito em hipótese alguma a falta de respeito, não coaduno com práticas violentas e com agremiações “mercenárias”. Minha ideologia não pertence a bandeiras, mas a uma consciência que tenta se “desvencilhar” de uma postura servil.

Não acredito numa democracia falha, não reconheço autoritarismos, não faço parte da sede incansável de poder, mas acredito em um poder revolucionário que se chama “respeito”, educação, moral, ética.

Não acho que todo meio seja “válido” para se chagar aos fins. Estou certo que nossa cidade, nosso estado e nosso país precisa de pessoas obstinadas, guerreiras, e que tenham fé que o sistema pode ser mudado

Hoje vivenciamos uma crise ético-moral em nosso país, onde o charlatanismo vem ganhando uma força cada vez maior, onde temos criado um “demônio” social que está cada dia mais presente.

Tenho visto constantemente a falta de respeito estampada onde o respeito deveria servir de “fonte”, onde a pureza dos ideais coletivos deveria fazer frente às pretensões particulares e egoístas.

Xingamentos, ultrajes, violência física e verbal só servirá para “tirar” o foco de questões mais importantes. E onde nosso país vai parar? Uma potência que tem cara, mas não tem beleza interior, que funciona esteticamente, mas que tem um organismo doente. Uma economia super-representativa, mas que deixa seu povo na miséria. De bandidos bem vestidos que desviam a finalidade social. De maus representantes do povo. De oportunistas baratos.

Não preciso acreditar que isso é comum, para simplesmente atender aos anseios dos “nobres” sujos, dos “sepulcros caiados” . Aprendam a lutar, lutar com veemência, com organização, aprendam a respeitar o próximo, aprendam a “focalizar” o verdadeiro leviatã, o inimigo que nos consome “ o conformismo”.

Prefira morrer em pé que continuar ajoelhado, busque o que é seu por direito, lutem, se eduquem, se preparem, insistam, pois o poder emana de nós, o povo.

Não deixem que críticas coloquem seus ideais no chão, não se deixe levar por aqueles que lhes chamam de “loucos”. Loucura é baixar a cabeça frente a injustiças. Que se calam quando precisam falar. Se resignem quando os absurdos acontecerem, e quem sabe assim andaremos na direção certa ao invés de andar eternamente em círculos.

Comentários

5 Comentários

  1. Acredito que, a sociedade precisa ter um conhecimento profundo de cidadania e direitos humanos sem deixar -se levar por sistema leviano como o nosso que aniquila o intelecto hunano para formar fantanches ao qual podem ser manipulados a qualquer momento sem nenhum escrupulo.

  2. Quem és tu que queres julgar, com vista que só alcança um palmo, coisas que estão a mil milhas?

    Ass: Dante Alighieri

    • "Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las".

      Voltaire.

      obrigado pela leitura e pela critica…

  3. Déborah Siqueira on

    Dante, o colunista é, sem sombra de dúvida, alguém disposto a "abrir" os olhos de pessoas que fazem questão de continuarem vendadas e, embasado numa pura realidade, o colunista é alguém que arranja de maneira formidável as palavras e assim as representa, o colunista é alguém que não anda em circulos, sendo assim, enxerga pouco mais do que vc sugere!
    Parabéns pelo texto, Lucio Correia. Mais uma vez você foi fantástico.
    Déborah Siqueira

  4. Se, pelo menos existissem esses três itens básicos e viessem de berço: respeito, educação e ética.
    Teríamos uma qualidade de cidadania muito melhor.

Leave A Reply