Prostituta declara-se culpada em morte de executivo do Google

Uma prostituta acusada de matar um executivo do Google ao injetar heroína nele durante passeio em um iate na costa da Califórnia, nos Estados Unidos, declarou-se culpada nesta terça-feira (19), disseram funcionários de um tribunal.

Alix Catherine Tichelman, de 27 anos, foi condenada a seis anos de prisão por um juiz de um tribunal de Santa Cruz, depois que aceitou um acordo judicial que reduziu a acusação de homicídio culposo para involuntário, disse uma autoridade judicial.

Ela também se declarou culpada em outras acusações, incluindo a aplicação de substância controlada, destruição ou ocultação de evidências e prostituição, de acordo com a corte de Santa Cruz.

Promotores disseram que Alix injetou heroína em Forrest Hayes, de 51 anos, durante um encontro no iate do executivo em Santa Cruz, em novembro de 2013.

Os promotores disseram que um vídeo de vigilância dos salões náuticos mostra que Alix não se esforçou para ajudar Hayes. Em vez disso, ela passou por cima do corpo do homem várias vezes antes de sair sem chamar socorro.

Defensores públicos de Alix disseram que ela não tinha a intenção de machucar Hayes e mantiveram que o uso da droga havia sido consensual.

O homem era casado, pai de cinco filhos e trabalhava no laboratório de pesquisa Google X.

Comentários