Pernambuco soma 10 assaltos a banco só este ano

Um homem armado com uma peixeira de doze polegadas tentou assaltar ontem à tarde uma agência do banco Bradesco na Avenida Conselheiro Aguiar, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife. O suspeito teria entrado pela porta giratória da agência que, de acordo com o Sindicato dos Bancários, não estava funcionando. Esta foi a décima investida contra bancos na cidade, em 2015. Um número três vezes maior que o mesmo período no ano passado.

Segundo o major PM Alano Araújo, que participou da operação, o suspeito foi agredido por um cliente com uma cadeira e uma lixeira de metal. ?Ele então fugiu e realizamos uma perseguição a pé até a esquina. Lá, ele segurou uma senhora em um prédio, que achamos ser uma refém?, explicou. A senhora era, na verdade, parente do suspeito. Ele foi atingido por um tiro e levado para o Hospital da Restauração. Quando receber alta, será levado ao Centro de Observação e Triagem Everardo Luna (Cotel).

A assessoria da Polícia Militar informou que há suspeita de que o homem tenha problemas psiquiátricos. Além disso, informou não ser possível dizer de onde partiu o tiro que o atingiu. A Polícia Civil irá investigar o caso.

?Acompanhamos a movimentação e escutamos apenas três tiros dentro do prédio?, afirmou o office boy Eduardo Souza, 34, que trabalha ao lado do banco. ?Um rapaz que estava na porta do banco chamou muito a atenção quem estava na rua, gritando que era uma assalto.?

O número de assaltos a bancos preocupa o diretor do Sindicato dos Bancários, João Rufino. Segundo ele, em seis das dez investidas ocorridas este ano foram usadas marretas para quebrar os vidros das agências. ?Há uma lei municipal (17684/2010) que exige vidros blindados e portas de segurança em pleno funcionamento. Se o vidro quebra, o banco pode funcionar por cinco dias enquanto conserta, caso disponha de dois vigilantes com detectores de metal portáteis?, explicou.

saiba mais

10ª investida em 2015

5º nos últimos quinze dias

6º utilizando marretas para quebrar os vidros da agência

Índice 3 vezes maior que no mesmo período do ano passado

Comentários