Paulo Câmara diz que País vive crises econômica, política e de confiança

Costumeiramente comedido nas avaliações ao governo Dilma Rousseff (PT), o governador do Estado, Paulo Câmara (PSB), aumentou, nesta segunda-feira (13), o tom crítico à situação política e econômica atual do País. Acusou a gestão nacional de gerar uma crise de confiança que “retrai os investidores” e lançou incerteza sobre o que pode acontecer num futuro próximo ao Brasil. Ex-aliado e hoje na posição de “independência”, decidida pelo PSB nacional, o governador disparou as críticas em discurso a empresários, políticos e trabalhadores no ato de entrega da ampliação da fábrica da Brasil Kirin, em Igarassu, na Região Metropolitana do Recife.

O governador destacou que o País vive três crises simultâneas e, nas entrelinhas, revelou ter dúvidas da capacidade superação do momento brasileiro pela administração nacional. “Sabemos muito bem o que vem passando este País, com uma crise econômica, uma crise política e, acima de tudo, com uma crise de confiança, quando não se sabe exatamente o que vai acontecer. E a insegurança, a falta de confiança e a falta de expectativas levam, muitas vezes, os investidores a colocarem o pé no freio, a esperar para ver o que vai acontecer”, avaliou Paulo Câmara em termos pessimistas.

Na contramão da situação nacional, o governador – sem observar a crise financeira e a escassez de recursos do Estado para concluir obras e para novos investimentos em infraestrutura – limitou-se a destacar a posição de Pernambuco, na região e no País, creditando aos governos socialistas o crescimento econômico e dos empregos em oito anos. “É muito bom saber que as pessoas investem em Pernambuco porque conhecem a nossa forma de trabalhar. Criamos uma política tributária diferenciada que possibilitou fazer esse grande polo de bebidas no Litoral Norte”, assinalou.

Em contraponto ao déficit de mão de obra nacional qualificada, particularmente no Nordeste, em comparação com demais países emergentes, o governador assinalou o esforço do governo em capacitar a força de trabalho pernambucana para atender à demanda dos novos empreendimentos. “O Estado se preparou muito nos últimos anos. Fizemos um amplo processo de capacitação profissional que possibilitou às empresas que aqui se instalam a contratação da mão de obra local, e garantimos ainda a infraestrutura necessária”, apontou. 

No ato de entrega da ampliação da Brasil Kirin, o ex-governador Eduardo Campos foi homenageado pela empresa com uma placa na ala industrial ampliada. A saudação ocorreu no dia em que se completa 11 meses da morte do líder socialista.

 

Comentários