Motorista de Cristiano Araújo admite velocidade acima do limite, diz polícia

O motorista Ronaldo Miranda, de 40 anos, que conduzia o carro durante o acidente que matou o cantor Cristiano Araújo, de 29, confirmou à Polícia Civil que seguia acima da velocidade máxima permitida no trecho da BR-153, em Goiás, que era de 110 km/h. O condutor afirmou ainda que perdeu o controle do carro depois que um dos pneus estourou, segundo o delegado Fabiano Henrique Jacomelis, responsável pelas investigações.

O depoimento ocorreu no domingo (28). “Ele disse que estava correndo um pouco, mas não soube precisar exatamente qual era a velocidade no momento do acidente, já que o carro era muito potente e ele não percebeu o excesso. Ele também informou que ouviu um barulho de pneu furado e, em seguida, perdeu o controle”, relatou o delegado ao G1.

O acidente aconteceu na madrugada do último dia 24, quando o sertanejo voltava de um show em Itumbiara, no sul do estado. Além de Ronaldo e de Cristiano, estavam no carro Allana Moraes, namorada do músico, e Victor Leonardo, um dos empresários dele. A jovem de 19 anos morreu no local, e o empresário se feriu, mas já recebeu alta.

O condutor perdeu o controle da direção 21 minutos após o grupo fazer uma parada em um posto de combustíveis, a cerca de 57 km do local do capotamento. O físico Reges Guimarães analisou a velocidade média feita pelo carro com base no horário das imagens de uma câmera de segurança. “Ele fez uma velocidade média de 162 km/h”, diz.

Segundo o delegado, o motorista, que chorou durante todo o depoimento, afirmou que não faz consumo de bebidas alcoólicas e negou que estivesse usando celular ou que tenha dormido antes de perder o controle. Jacomelis já havia informado que Ronaldo foi submetido ao teste do bafômetro, que deu negativo.

Ronaldo também confirmou à polícia que as rodas usadas no veículo, um Range Rover Sport, ano 2015, não eram originais e que havia solda em uma delas. “Ele disse que foi um amigo em comum dele e do Cristiano quem cedeu essas rodas, que eram de outro Range Rover. Os pneus eram novos, mas já tinham sido reparados antes. Ele não soube detalhar quando houve a troca”, disse Jacomelis.

O delegado afirmou que agora aguarda a chegada de uma equipe de técnicos da fabricante do veículo para analisar se a troca das rodas, aliada ao excesso de velocidade, foi determinante para o acidente. “Ainda vamos ouvir o Victor Leonardo, que estava no veículo, pois ele é uma peça-chave. Também aguardamos os resultados dos laudos periciais para esclarecer, de fato, o que aconteceu”.

A Jaguar Land Rover informou, por meio de nota enviada ao G1 por sua assessoria, que “não recomenda em nenhuma circunstância o uso de peças e acessórios não originais em seus veículos”. A empresa disse ainda que continua colaborando com as investigações da Polícia Civil de Goiás.

Jacomelis ressaltou que, caso seja provado que houve imperícia ou imprudência, o motorista poderá responder por homicídio culposo (sem intenção) na direção de veículo automotor, que tem pena de dois a quatro anos de prisão.

Irmão de Ronaldo, Roberto Miranda já havia afirmado que o acidente foi causado por um problema no carro. Segundo ele, o motorista está chocado com a morte do casal. “Ele mesmo vai esclarecer o que houve, porque ele ainda está abalado. Para mim, ele contou, mas eu vou deixar ele explicar os detalhes. A gente sabe que foi falha do carro, foi falha mecânica, a gente sabe disso”, disse na última sexta-feira (26).

Já o pai de Cristiano, João Reis de Araújo, disse que já havia alertado o filho sobre excesso de velocidade (veja vídeo acima). “Eu sempre ia a todos os shows e neste eu não estava. Fico muito entristecido por isso, pois eu não estava lá no último show dele. E tem coisas que a gente fica com um porquê na cabeça. Se eu tivesse junto, tenho certeza que eu ia brigar, porque eles foram muito rápido. Eu sempre puxava a orelha dele quanto a isso, pois ele deixava o pessoal correr um pouco”, afirmou.

Cinto de segurança
O delegado também solicitou um laudo cadavérico das vítimas fatais e uma perícia no local do acidente para comprovar se Cristiano Araújo e Allana Moraes usavam cinto de segurança no banco de trás no momento do acidente.

“O cantor e a namorada foram arremessados para fora do veículo, sendo assim, os indícios apontam que eles não usavam o cinto de segurança. Mas isso só será comprovado com o resultado dos laudos”, disse Jacomelis.

Segundo ele, também há sinais de que o motorista e o passageiro do banco da frente estavam com cinto.

Sem mágoas
Os pais da estudante Allana Moraes dizem que não têm mágoas e não culpam o músico e o motorista pela perda da filha. “De jeito nenhum, eu queria encontrar o seu João [pai de Cristiano], pessoas da equipe e, de um modo especial o Ronaldo, pois eu queria tirar esse peso, pois vão colocar uma carga muito pesada em cima dele por estar dirigindo esse carro”, afirmou a mãe da jovem, Miriam Coelho Pinto.

Segundo ela, Allana era apaixonada pelo sertanejo e partiu com quem mais amava. “Ela gostava muito dele. Então, na verdade, foi no amor, por amor e com o amor da vida dela”, disse.

O pai da estudante, o representante comercial Frank Moraes, também diz que não encontra um único responsável pelo acidente. Ele diz que Cristiano sempre voltava dos shows dormindo no colo de Allana, no banco traseiro do carro, e sempre alertava a filha para usar o cinto de segurança.

Morte e enterro
Cristiano Melo Araújo nasceu no dia 24 de janeiro de 1986 na cidade de Goiás. Filho de João Araújo e Zenaide Melo, ele tinha três irmãos: Ana Cristina Melo Araújo — de quem é gêmeo –, Felipe Araújo e Nelson Faleiro. O cantor namorava a estudante Allana Moraes havia 1 ano e dois meses. Ele deixou dois filhos — João Gabriel, de 7 anos, e Bernardo, de 2, frutos de relacionamentos anteriores.

O cantor e a namorada morreram após o acidente na BR-153, entre Morrinhos e Pontalina. O sertanejo chegou a ser socorrido e encaminhado a um hospital na capital, mas já chegou sem vida.

O corpo de Cristiano Araújo foi enterrado por volta das 12h de quinta-feira (25), no Cemitério Jardim das Palmeiras, em Goiânia. Mais de 1,5 mil pessoas, entre familiares, amigos e fãs, acompanharam a cerimônia, segundo estimativas da Polícia Militar. Eles deram uma salva de palmas e cantaram vários sucessos do artista durante a despedida.

O sepultamento do cantor ocorreu após um cortejo de 15 km em um carro dos bombeiros, que partiu do Centro Cultural Oscar Niemeyer, onde o corpo foi velado por mais de 15 horas, até o local. O caixão estava coberto por uma bandeira do Brasil e outra do Vila Nova, time do coração do sertanejo.

Diferente do previsto inicialmente, o corpo de Allana não foi enterrado ao mesmo tempo que o de Cristiano. O sepultamento dela ocorreu no mesmo local, horas antes.

 

Comentários