Matrícula para alunos veteranos da UFPE começa no próximo dia 13

A partir do próximo 13 de agosto, os alunos veteranos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) poderão realizar a matrícula acadêmica para o período 2015.2. Neste semestre, por causa da greve dos servidores técnicos-administrativos da instituição, a universidade não vai disponibilizar laboratórios para a realização da matrícula no campus. Além disso, alunos com pendências nas bibliotecas da universidade também poderão, excepcionalmente, realizar a matrícula.

Para os alunos veteranos, o período de matrícula segue até o dia 17 de agosto, por meio do sistema Siga. Os alunos dos centros de Artes e Comunicação (CAC), de Ciências Jurídicas (CCJ), de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA), de Educação (CE) e de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH), do Campus Recife, e dos cursos do Centro Acadêmico de Vitória (CAV) farão matrícula de 13 a 17 de agosto.

Já os alunos vinculados aos cursos dos centros de Ciências Exatas e da Natureza (CEN), de Ciências Biológicas (CCB), de Ciências da Saúde (CCS), de Informática (CIn) e de Tecnologia e Geociências (CTG), do Campus Recife, e alunos ligados aos cursos do Centro Acadêmico do Agreste (CAA), em Caruaru, devem realizar a matrícula de 15 a 17 de agosto.

Os retardatários poderão se matricular de 31 de agosto a 1º de setembro. Já os alunos calouros, ingressantes em 2015.2, terão a matrícula do primeiro período realizada automaticamente pela UFPE. O edital de matrícula do semestre já está disponível no site da instituição.

Os candidatos classificados no curso de bacharelado em química devem comparecer à coordenação do corpo discente do Campus Recife, no próximo 19 de agosto, das 9h às 12h ou das 14h às 17h, para entrega de documentos que são exigidos no edital de matrícula dos vestibulandos. As aulas da UFPE começam no dia 24 de agosto, mesmo com a greve dos servidores.

Greve
A greve dos servidores da Universidade Federal de Pernambuco já dura mais de dois meses. No entanto, de acordo com a UFPE, a paralisação não afeta a vida acadêmica dos alunos da instituição. O Sindicato dos Trabalhadores das Universidades Federais de Pernambuco (Sintufepe) informou que não tem levantamento de quantos serviços são afetados.

A greve foi deflagrada no último 28 de maio, após assembleia da categoria. Os técnicos paralisaram setores como administrativo, secretarias e bibliotecas e, de acordo com o Sintufepe, a porcentagem de adesão chega a 90% em campi como os de Caruaru e de Vitória de Santo Antão. No Recife, o sindicato não tem um balanço da adesão.

A categoria reivindica um reajuste salarial de 27,3%, que garanta a reposição das perdas inflacionárias não acumuladas de 2010 a 2016. O Governo ofereceu um reajuste de 21% dividido em quatro anos, proposta que foi recusada pela categoria. De acordo com a assessoria do Sintufepe, outras pautas de reivindicação também estão em jogo, como a isonomia do auxílio alimentação e a reversão de medidas provisórias que cortam direitos trabalhistas. A greve não tem previsão de término.

De acordo com a assessoria de comunicação da UFPE, a greve não afeta a comunidade acadêmica no retorno às aulas. Segundo a instituição, as equipes estão reduzidas, mas os serviços não estão completamente paralisados. O setor mais afetado pela greve dos servidores são as bibliotecas, que estão fechadas — no entanto, alunos em situações de emergência podem procurar a coordenação do sistema das bibliotecas e estudantes com pendências poderão se matricular no semestre de 2015.2.

Os servidores técnicos-administrativos da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) também estão em greve. De acordo com a assessoria da instituição, a atividade acadêmica também está normalizada — os alunos estão de férias e o semestre letivo de 2015.2 deve começar na próxima segunda-feira (10). O G1 não conseguiu entrar em contato com o Sintufepe-UFRPE, sindicato que representa os servidores administrativos da instituição.

Comentários