Lisca fecha treino, mas o Náutico está praticamente definido para jogo contra o Flamengo

O técnico Lisca vai fechar o treino desta tarde de terça-feira (14/7), no CT Wílson Campos, na Guabiraba. O objetivo é não dar dicas para o Flamengo. Afinal, a partida desta quarta-feira (15), às 22h, na Arena PE, vale vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil. No jogo de ida, dia 27 de maio, o Timbu empatou por 1×1, no Rio de Janeiro, que só precisa de um empate sem gols para passar a próxima fase. A repetição do resultado leva a decisão para os pênaltis. Um empate por mais gols dar o lugar ao rubro-negro carioca.

O comandante alvirrubro, no entanto, esboçou o time no treino da segunda-feira (13). Afinal, sem contar com o zagueiro Ronaldo Alves, o meia Hiltinho e o volante Gil Mineiro, que atuaram na Copa do Brasil pelo Avaí, Boa Esporte e Sampaio Corrêa, respectivamente, estão impedido de jogar pelo Timbu.

No treino, o técnico não contou com o atacante Douglas, poupado devido ao taxa de CK muita alta (creatina quinase, enzima que detecta possibilidade de uma lesão). Na sua vaga, entrou Bergson, que ficou no banco na vitória por 2×1 sobre o Santa Cruz pela Série B, mas não estreou.

No lugar de Ronaldo Alves treinou Diego. Depois o volante Willian Magrão foi deslocado para a posição ao lado de Fabiano Eller e Bruno Alves ocupou o meio-campo. Já Rogerinho foi mantido na vaga de Hiltinho, que não enfrentou o Santa Cruz porque estava suspenso. O lateral Gastón Filgueira, outro que não atuou no clássico, volta ao time.

“Estou feliz de ter sido mantido no time. Acho que fiz um bom jogo contra o Santa Cruz. Mas, o Flamengo é outra situação, outra competição e não podemos entrar pensando no empate sem gols ou até no 1×1, que iria para os pênaltis. Eles não estão bem na Série A, mas é um grande time. Por isso, a gente tem de jogar pensando em vencer”, disse Rogerinho.

A escalação da segunda-feira foi a seguinte: Júlio César; Guilherme, Diego, Fabiano Eller e Gastón Filgueira; João Ananias, Willian Magrão, Marino e Rogerinho; Bergson e Stéfano Yuri.

Comentários