Jogadores do Sport sofrem assédio de torcedores e de outros clubes

A boa campanha do Sport no Brasileirão vem deixando os jogadores em evidência. Em todos os sentidos. A noite de autógrafos em uma loja de material esportivo localizada em um dos shoppings da cidade noite passada (quarta, 29/7) levou cerca de 2 mil torcedores a se aglomerarem para levar uma recordação dos atletas. Seja foto ou autógrafo. Por outro lado, há especulações de interesse de vários clubes nos atletas rubro-negros.

Parte do elenco participou do evento, como o goleiro Danilo Fernandes, em ótima fase, o zagueiro Matheus Ferraz, o lateral Renê, os volantes Wendel e Neto Moura, o meia Régis e os atacantes André e Maikon Leite. 

O bom futebol dentro de campo, o Leão é o quarto colocado na Série A, tem deixado o Sport como alvo. O assédio de clubes do País e do exterior aos principais nomes da equipe tem crescido. Depois de Maikon Leite, Élber, Renê e Rithely, agora é a vez de o atacante André ter seu nome especulado em uma possível saída da Ilha do Retiro. Equipes da Espanha (Betis) e da Itália (Bologna) estariam interessadas no centroavante. O que é motivo de preocupação para torcedores não tira o sono dos rubro-negros. Pelo contrário: é visto como um fator positivo. Diretoria, comissão técnica e elenco consideram que esse tipo de exposição deixa todos “envaidecidos” e “motivados” para a Série A.

“Que time bom da bexiga é esse? Toda semana noticiam que tem um sendo vendido no Sport. Dizem que vai um pra um lado, outro pro outro…”, disse o volante Rithely, no costumeiro bom humor. “Mas falando sério: esse assédio não atrapalha o nosso elenco em nada. Todos sabem das suas responsabilidades aqui no clube. Acho até que esse assédio motiva ainda mais os atletas para continuarem a fazer um bom trabalho na Série A, pois sabem que isso pode render bons frutos no futuro, tanto para o jogador como para o Sport”, completou.

Rithely sintetiza bem o que pensam os atletas rubro-negros nesse momento. No início do mês, ao recusar uma proposta milionária para se transferir para o futebol chinês, o volante explicou que espera fazer uma campanha vitoriosa no Brasileirão 2015 e, como consequência, ganhar uma chance em grandes equipes da Europa. “Nós (jogadores) falamos sobre isso. Não é momento de sair do clube. O momento é de fazer uma boa Série A e tentar terminar entre os quatro primeiros colocados. Com certeza, no fim do ano, vão aparecer oportunidades melhores para todos, atletas e Sport”, afirmou.

E não são só os atletas que estão na mira de outros clubes. Vez por outra, o técnico Eduardo Baptista tem seu nome cogitado para comandar times do eixo Sul-Sudeste. Até o executivo de futebol rubro-negro, Nei Pandolfo, confirmou que recusou um convite do Cruzeiro no início do mês. “É o reconhecimento pelo trabalho que estamos fazendo. Isso deixa todos envaidecidos e motivados”, afirmou o vice-presidente de futebol do Leão, Arnaldo Barros. 

Sobre André, o dirigente garantiu que nem o Sport e nem o Atlético-MG, clube que detém os seus direitos econômicos, receberam uma proposta pelo atacante. 

Comentários