Grupo de Timbaúba faz caminhada ecológica rumo a Pedra da Caveira em Camutanga

Um grupo de timbaúba visitou um dos cartões postais da cidade de Camutanga. Os “aventureiros” partiram em uma caminhada ecológica rumo a Pedra da Caveira no Engenho Santo Antônio, mais conhecido como Sete Cabeças.

O ponto de partida aconteceu as 8h20, no Centro de Estudos Budista Bodisatva (CEBB), na Fazenda Jundiá, zona rural de Timbaúba, e chegada 13h30. Foram mais de cinco horas de caminhada e um percurso ida e volta estimado em 24 quilômetros, segundo Aldair Freire, um dos organizadores do passeio.

João Petry, Vagner, Juliano e Deinha, ambos praticantes do Budismo e membros do CEBB, professor João Marcelo, João Moura e Anne karoline (karol), guiados pelo técnico agrícola Aldair Freire seguiram pela Serra do Jundiá em uma ladeira bastante extensa e íngreme até a divisa dos municípios de Timbaúba e Camutanga.

Percorrendo mais alguns quilômetros em terras camutanguenses, o grupo chegou ao destino, faltava apenas poucos metros para conhecer a famosa Pedra da Caveira. Pela frente ainda teria mais um obstáculo a ser desafiado, o topo da montanha rochosa que fica no meio de trecho de Mata Atlântica de difícil acesso.

Após alguns minutos de descanso sob uma enorme jaqueira, eis que surge dois nativos conhecedores da região, que além de informar ao grupo com precisão a localização da pedra, se dispuseram a acompanhar. Com os dois mateiros a frente abrindo trilhas e guiando pelos melhores caminho, os nove aventureiros adentram na mata contemplando a natureza, plantas, aves e outros animais.

Quando chegou ao destino, o grupo escolheu um bom e seguro local admirou a paisagem exuberante, é uma vista muito bacana. Do alto da Serra é possível ver na planície um enorme casarão do século XVIII, vários povoados e algumas cidades a quilômetros de distância, a exemplo dos distritos Quebec e Ibiranga, do município de Itambé, e a cidade de Juripiranga, na Paraíba.

Após quase duas horas de caminhada, a premiação para este grupo de amantes da natureza foi o prazer de por alguns minutos parar no tempo para respirar o ar puro de montanha, admirar a paisagem exuberante e contemplar a imensidão do horizonte.

Segundo alguns moradores da localidade, existe uma lenda que quando os escravos adoeciam e não podiam mais trabalhar o dono do engenho mandava abandoná-los entre as grandes pedras, diz também a lenda que crânios humanos foram encontrados na localidade, porém não há confirmação oficial. Daí surgiu a denominação Pedra da Caveira.

Depois de alguns cliques com câmeras fotográficas e selfs em celulares chegou a hora de retornar ao ponto de partida, afinal o grupo teria horas de caminhada e aventuras na volta.

Fica a dica para quem estiver planejando conhecer a Serra da Pedra da Caveira, ida e volta o passeio dura cerca de 5 horas, primeiro é importante ir acompanhado de uma pessoa que conheça a região, e levar uma mochila com água e se preferir também lanche, sem esquecer do protetor solar e principalmente de calçar um bom par de tênis para encarar o declive.

Comentários