Feras ainda em dúvida quanto a vantagens da mudança na UPE

O fim do vestibular tradicional na Universidade de Pernambuco (UPE) a partir deste ano, confirmado na terça-feira (28 de julho) pela reitoria, deixa ainda jovens em dúvida quanto a perdas e ganhos. Quem quiser participar da disputa terá que se candidatar por meio da seleção seriada da própria universidade, o que é válido no ingresso de 2016  para quem já fez uma das provas em edições anteriores, ou pelo Sistema Informatizado do MEC (Sisu), que usa nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O mesmo fera, inclusive, pode tentar pelas duas formas.

As inscrições para o seriado começam na próxima segunda (3 de agosto) e custam R$ 85, apenas pela internet (http://processodeingresso.upe.pe.gov.br). “A princípio parece bom, porque diminui o número de provas que teremos de enfrentar. A gente se concentra só no Enem”, afirma Cláudia Soares, 17, aluna do terceiro ano de uma escola particular e que não participa do seriado. A amiga dela, Lúcia Rodrigues, da mesma idade, fica em dúvida: “Não gosto muito do Enem e, com a mudança, estudantes de outros Estados estarão aumentando a concorrência pelas vagas da UPE”, justifica. Para quem já encerrou o ensino médio, a via de acesso será apenas pelo Enem/Sisu.

“Tentei entrar na UPE em 2011. Fiquei na lista de remanejáveis, mas não entrei. Agora estou cursando faculdade privada e até gostaria de migrar para a universidade pública. Se ainda existisse o vestibular tradicional, teria, então, duas chances. Talvez me saísse melhor nele do que no Enem”, avalia Lívia Botelho, 21, estudante de enfermagem. Para Clarice Pereira, 16, que vai se submeter ao seriado pela primeira vez, as duas possibilidades de ingresso, ao mesmo tempo, é mais vantajosa.

Veja detalhes das novas formas de ingresso neste vídeo do NE10, com Ernani Martins, da Comissão de Concursos Acadêmicos da UPE:

 

Comentários