Estudante quer documento do Banco do Brasil sobre dólares falsos

A estudante brasileira Amanda Parris afirmou neste sábado (27) que foi procurada por um  advogado do Banco do Brasil que estava em Nova York. Ela e o pai, João Neto Silva, estão sendo investigados pela polícia norte-americana na cidade de Galveston, no estado do Texas, por porte de dólares falsos. De acordo com a família, as cédulas foram compradas em uma agência do Banco do Brasil no Recife. A universitária contou que o representante da instituição financeira ligou e perguntou o que ela estava precisando.

“Eu disse que queria um documento isentando eu e o meu pai, para entregar às autoridades dos Estados Unidos e à Polícia Federal no Brasil. Em inglês e português”, ressaltou, por telefone. De acordo com ela, o advogado disse que vai providenciar o documento oficial e deu o domingo (28) como prazo.

O Banco do Brasil confirmou o contato e informou neste sábado, através de nota, que “escalou equipe de profissionais para prestar a devida assistência e apoio jurídico à família. Tão logo foi informado das ocorrências, o banco iniciou a apuração das causas e adotou as medidas necessárias. As apurações internas ainda estão em curso, e o banco prestará todas as informações devidas às autoridades, inclusive à Polícia Federal. O BB lamenta o ocorrido e informa que já adotou medidas para evitar outras intercorrências”.

Entenda o caso
Os pernambucanos foram surpreendidos na quarta-feira (24), quando tentavam depositar, em um banco de Galveston, a quantia de 2.820 dólares. A funcionária que fazia a transação percebeu que as notas eram falsas, através de aparelhos eletrônicos e diversos procedimentos, e acionou a polícia. Os policiais chegaram ao local e constataram, através do número de série, a falsidade do dinheiro, notificando João e Amanda pelo porte das cédulas. No local, além de colher informações pessoais dos dois, disseram que João não poderia voltar ao Brasil até a conclusão das investigações.

De acordo com a família, a compra dos dólares foi feita na agência central do Banco do Brasil (BB) no Recife, no último dia 18 de junho.  Quem comprou os dólares foi a aposentada Maria de Fátima da Silva, tia de Amanda. Ela, que é funcionária aposentada do BB, foi até a agência localizada no Recife Antigo e, após receber o valor, deu ao irmão para que ele entregasse à sobrinha. João Neto da Silva viajou aos Estados Unidos na última terça (23)

Investigações
A estudante contou ao G1 que procurou o Departamento de Polícia de Galveston, na sexta (26), e foi informada que deve ser ouvida pelas autoridades a partir da próxima semana. Os pernambucanos também já estão em contato com o Consulado Brasileiro na cidade de Houston, no Texas. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, o consulado já tem conhecimento do caso, e está analisando os fatos para saber quais ações poderão ser tomadas pelo governo brasileiro.

Ainda segundo Amanda Parris, o boletim de ocorrência do caso não foi repassado a ela, apenas ao Consulado do Brasil em Houston. Agora, a família espera o andamento das investigações em Galveston, para prestar esclarecimentos às autoridades.

Comentários