Estado pede ilegalidade da greve dos professores

Um dia depois de anunciar o corte do ponto dos professores em greve, o governo do Estado entrou com uma ação junto ao Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) pedindo a ilegalidade do movimento. Segundo o procurador-geral do Estado, César Caúla, a data-base da categoria é em junho e antecipar a discussão é “impróprio”.

Caso o TJPE considere a greve ilegal, a categoria deverá voltar ao trabalho imediatamente, sob pena de multa diária no valor de R$ 100 mil. O presidente do Sintepe, Fernando Melo, não foi localizado por telefone, na noite desta terça-feira, para comentar a medida. À tarde, o sindicato calculou que a adesão da categoria permaneceu de 70%, no segundo dia de greve.

Comentários