?É preciso foco?, diz pernambucano que desenha para Marvel e DC

Os heróis dos quadrinhos vêm arrastando multidões para os cinemas nos últimos anos. As histórias impressas ainda têm seu mercado e fãs em todo o mundo. O que alguns não sabem é que parte dos desenhos que preenchem as páginas, sejam de quadrinhos da Marvel ou da DC Comics, são brasileiros. “É preciso ter foco. Todo meu tempo foi dedicado aos quadrinhos. Eu acordava para desenhar e desenhava para dormir”, conta o ilustrador pernambucano Thony Silas.

Aos 28 anos, Silas tem no currículo desenhos seus em revistas como ‘Amazing Spider-Man: Ends of the Earth’, ‘Venom’, ‘Daredevil: Dark Nights’ e ‘Batman Beyond 2.0’. Para isso, estar focado no desenho e se dedicar foi essencial. “Quadrinho, se você é bom, mostra que faz, você está dentro. O mercado americano é muito pragmático, não pode correr risco de atrasar”, explica o ilustrador, que trabalha de casa, em Paulista, no Grande Recife.

Apaixonado por desenho desde criança, foi com o ilustrador brasileiro Wamberto Nicomedes que começou a se profissionalizar, aos 12 anos. “Ele morava uma rua depois da minha. Foi lá que comecei a descobrir materiais, técnicas. Não tem academias aqui para formar ilustradores, fui meio autodidata, aprendendo com os livros”, recorda.

Foi Nicomedes quem incentivou Silas a investir no mercado exterior de ilustrações. Começando por pequenas editoras, o pernambucano foi fazendo seu nome e conquistando seu espaço. Com esforço e dedicação, conseguiu chegar até a Marvel. O primeiro trabalho foi justamente a revista do Homem Aranha. “O maior pagamento é ter seu trabalho divulgado. A cada publicação, dez, 15 editores veem o seu trabalho”, acredita.

Seu mais recente trabalho foi com a versão da animação ‘Justice League: Gods and Monsters’ para os quadrinhos, a convite do diretor Bruce Timm, pai da animação do universo DC Comics e Warner Bros. “É mais fácil trabalhar com personagem que já é conhecido, todo mundo já gosta. Agora, você pegar um trabalho que ninguém viu, fazer uma interpretação? É um desafio”, aponta.

A revista foi lançada nesse mês de julho e foi o maior desafio da carreira do ilustrador pernambucano  – e também o trabalho do qual mais se orgulha. “Você tem nesse um Super Homem de preto e cavanhaque. As pessoas estranham, só agora com a animação estão começando a entender. Não é uma versão para tentar melhorar a Liga da Justiça, é para ‘piorar’. Uma versão mais agressiva, mais grotesca de lidar com o drama. O Batman é vampiro mesmo”, explica.

Outros brasileiros também trabalham para as gigantes do quadrinho, muitos começando com poucas páginas e crescendo à medida que o trabalho se torna confiável. “Tem muito brasileiro trabalhando no mercado americano. A Paraíba é onde tem mais e os maiores nomes, como Mike Deodato. Tem espaço para todo mundo”, defende Silas.

Mostrar às novas gerações como é possível viver apenas de quadrinhos é a proposta de Silas no workshop que promove no auditório da Livraria Cultura do Paço Alfândega, na quarta-feira (5). “Eu considero que tive sorte. Nasci uma rua depois de um cara com 15 anos de carreira já. Hoje as pessoas têm mais acesso aos livros na internet, podem adicionar desenhistas nas redes sociais. O desafio para a geração de hoje é ter concentração. Livros naquela época era uma raridade. Hoje você tem todos os livros, hoje é uma questão de esforço e de procurar”, garante.

Desenhar para as gigantes dos quadrinhos é apenas parte do sonho de Silas, que espera também estudar e investir no mercado de animações. “É muito mais que Marvel e DC. Quando se torna criador, você é uma grande empresa de um homem só. Se você aos poucos fizer seus trabalhos. O mercado brasileiro também tem espaço para quem quer”, avisa o ilustrador.

O workshop ‘HQ Mercado Internacional — Introdução e carreira’ é voltado para profissionais e estudantes da área de designer, cinema, tecnologia, publicidade e artes gráficas em geral. As inscrições custam R$ 80 e estão disponíveis unicamente pela internet.

Serviço
Workshop ‘HQ Mercado Internacional – Introdução e carreira’, com Thony Silas
Auditório da Livraria Cultura do Paço Alfândega – Cais da Alfândega, s/n, Bairro do Recife
Quarta-feira (5), às 19h
Inscrições: R$ 80, pela internet

Comentários