Carros elétricos compartilhados começam a rodar nas ruas do Recife

O primeiro sistema de compartilhamento de carros elétricos do Brasil começa a funcionar nesta segunda-feira (15) na capital pernambucana. Os veículos sustentáveis começam a circular pelo centro do Recife no final desta manhã, após a cerimônia de lançamento do projeto no Bairro do Recife. O sistema é fruto de uma parceria entre as empresas de inovação e tecnologia Porto Digital e Serttel, que também implantaram o aluguel de bicicletas na cidade.

O projeto conta com três automóveis alimentados por energia elétrica disponíveis em três estações de compartilhamento nos bairros do Recife e Santo Amaro — nas ruas do Brum, Vasco Rodrigues e do Lima. Assim como as magrelas, os veículos importados da China são alugados por meio do aplicativo para celular Porto Leve. Mas, como se trata de um projeto-piloto, a opção do car sharing só está disponível para um público selecionado neste primeiro mês de funcionamento.

Até janeiro, 20 funcionários do Porto Digital vão testar os carros elétricos. Os escolhidos precisam fazer avaliações periódicas do sistema para que a empresa possa aperfeiçoar a ideia. A coordenadora do Porto Mídia, Mariana Valença, é uma selecionadas. “Vamos dar nosso feedback para que o sistema esteja mais maduro quando for expandido pela cidade”, torce. A intenção é que mais pessoas tenham acesso ao aplicativo nos próximos dois meses. Em março, o sistema será liberado para todos os interessados.

Após três meses de testes, o projeto também vai ganhar três novas estações de compartilhamento — na Praça do Derby, na Prefeitura do Recife e na Casa da Cultura. No entanto, o número de automóveis vai continuar o mesmo. “É um protótipo, por isso fica com três carros. Esperamos que, com a consolidação da ideia, o poder público veja seu valor e resolva expandi-la, como aconteceu com o aluguel de bicicletas”, explica o diretor do Porto Digital, Francisco Saboya.

Para Mariana e os outros funcionários da empresa, o sistema já será útil na fase de testes, uma vez que as estações de compartilhamento ficam próximas aos escritórios da empresa. Mas a coordenadora do Porto Mídia reconhece que a ideia fará mais diferença quando tiver um alcance maior. “A mobilidade é um problema hoje em dia e esses carros vão trazer mais uma opção de deslocamento. Uma das vantagens é não ter que se preocupar com estacionamento”, diz Mariana, que também vai aproveitar o período de testes para avaliar o custo benefício do compartilhamento.

Para utilizar o sistema, é preciso pagar uma mensalidade de R$ 30, além de uma taxa extra para cada corrida. Se o usuário não oferecer carona, essa taxa é de R$ 20. Caso dê carona através do aplicativo para outro inscrito, o valor é dividido entre os dois usuários. Se o motorista oferecer a carona e mesmo assim nenhum interessado se manifestar nos 15 minutos de tolerância, também paga R$ 10. Ainda é preciso pagar uma taxa extra caso os 30 minutos permitidos para a utilização do veículo sejam ultrapassados. Por cada minuto adicional será cobrado R$ 0,75.

Além de apresentar-se como mais uma alternativa de transporte para os recifenses, o compartilhamento de carros elétricos surge com a missão de abrandar o problema da alta emissão de gases poluentes por veículos automotivos. Na Europa, cada exemplar do car sharing retira entre seis e nove veículos tradicionais das ruas. Alimentados por energia limpa, os carros sustentáveis ainda evitam a utilização de combustíveis fósseis e contribuem para a redução da poluição atmosférica.

Para utilizar o sistema pernambucano, basta ser maior de 18 anos, ter carteira de habilitação, cartão de crédito e baixar o aplicativo do Porto Leve. Após fazer a inscrição no celular, é preciso apresentar os documentos de identidade e habilitação no escritório do Porto Digital, no Bairro do Recife. Depois disso, já é possível solicitar os veículos. Para isso, basta indicar as estações de origem e destino do trajeto para que o sistema verifique se há carros e vagas disponíveis. Nesta altura, os usuários também podem optar por oferecer uma carona a outros usuários do sistema. Nesse caso, é preciso esperar 15 minutos pelo companheiro e o custo de R$ 20 da corrida é dividido entre os dois usuários.

Comentários