Brasil passa sufoco, vira sobre Porto Rico e vai brigar pelo ouro no vôlei

Dani Lins, Gabi, Natalia, Thaísa, Fabiana e Sheilla… Desfalcada no Pan por lesões e pelo atrito de datas entre os Jogos Pan-Americanos e as finais do Grand Prix, a seleção brasileira feminina de vôlei mostrou nesta quinta-feira em Toronto que tem lenha de sobra para queimar. Se a 1.500km dali, em Omaha, a outra parte do grupo foi derrotada pela Rússia, o time que veio ao Canadá sofreu, mas garantiu vaga na final dos Jogos Pan-Americanos. Capitaneadas por Jaqueline, Fê Garay, Adenízia, Camila Brait e dando chances para novatas como Mari Paraíba e Mari brilharem, o Brasil bateu Porto Rico nas semifinais por 3 a 2, parciais de 18/25, 24/26, 25/22, 25/19 e 15/11 e trará ao menos a medalha de prata para o país. Com 27 pontos, Fê Garay foi a maior pontuadora.

A decisão do ouro será contra o vencedor do jogo entre Estados Unidos e República Dominicana, que se enfrentam ainda nesta quinta-feira, em Toronto. A final acontece no sábado, dia 25, às 21h30 (de Brasília). O caminho até lá, porém, foi duro. O Brasil teve campanha apertada na primeira fase do Pan. Venceu Porto Rico apenas por 3 a 2, derrotou o Peru por 3 a 1 e contra os Estados Unidos sofreu para virar no tie-break e triunfar por 3 a 2. Assim, conseguiu o primeiro lugar do grupo e foi direto para as semifinais. 

+ Veja agenda completa com programação dos Jogos Pan-Americanos
+ Saiba como está o Brasil no quadro de medalhas do Pan 2015

porto rico começa arrasador

O Brasil começou com Fê Garay, Bárbara, Adenízia, Joycinha, Jaque, Macris e Camila Brait como líbero. Falhando na recepção e caindo no bloqueio das portorriquenhas, a seleção saiu perdendo por 7 a 2 o set 1. Com 8 a 3 no primeiro tempo técnico, o Brasil, mesmo atrás, passou a se acertar. Fê Garay começou a virar as bolas e o bloqueio funcionou. Contudo, Porto Rico mantinha a frente por 12 a 7. Bem marcadas pela rede caribenha, a seleção tinha dificuldade nas pontas, e Morales aparecia bem no bloqueio, dificultando o Brasil de encostar no placar: 17 a 10. Com Aurea Cruz chegando aos seis pontos no set, Porto Rico ficou perto de abrir na frente com 20 a 13. Em erro de Macris no levantamento, Morales bloqueou e veio o set point. No ataque seguinte, Porto Rico fechou em 25/18.

A seleção voltou melhor para o segundo set. Com Rosamaria em quadra e Mari Paraíba revezando, abriu 4 a 3. Em lindo rali, Porto Rico virou para 7 a 6 com Stephanie Enright. Acertando a recepção e usando melhor as bolas de ponta, o Brasil passou novamente a liderar e colocou 13 a 10 com Fê Garay. com o jogo lá e cá, Ocasio virou bola na ponta após rali e POrto Rico encostou em 17 a 16 para o Brasil. Em bola de Adenízia para fora, as portorriquenhas viraram para 19 a 18. Voltando a errar no momento decisivo do set, a seleção deu armas para as rivais crescerem. Porto Rico colocou 22 a 20 e o Brasil buscou. Mas Cruz acertou na saída de rede e deu o match point para Porto Rico: 24 a 23. Angélica empatou. Em erro de Joyce e Mari Paraíba, o time caribenho abriu 2 a 0 com 26/24.

Brasil se acerta e vira

Sem desistir do jogo, o Brasil retornou e começou na frente o set 3. Colocou 8 a 6 em Porto Rico na primeira parcial e ganhou confiança. Mantendo Mari Paraíba e Rosamaria em quadra, a seleção finalmente conseguia manter uma vantagem no placar. E perto do segundo tempo técnico tinha 14 a 12. Fê Garay seguia a melhor saída para a seleção, que estabilizou-se na liderança no segundo tempo técnico tendo 16 a 14 no marcador. Adenízia bloqueou Cruz e fez 18 a 15. Rosamaria fez o mesmo e ampliou. Mas em três erros seguidos, de Adenízia, na defesa e com Rosamaria, Porto Rico encostou: 19 a 18. Perto de vencer a partida, as portorriquenhas sentiram a pressão e erraram. Aproveitando-se disso, o Brasil venceu por 25/22.

Mais equilibrada, a seleção iniciou o set 4 mandando no duelo. Assim, chegou rápido ao 8 a 4 no primeiro tempo técnico. Com 20 pontos, Garay era o grande nome do Brasil e virava praticamente todas as bolas. Rosamaria também dava consistência ao ataque com seus 15 pontos. Dessa forma, a seleção não dava mais chances para as rivais e mantinha cinco pontos de frente: 15 a 9. Chegando em todos os bloqueios, o Brasil ampliou ainda mais com 19 a 13. Em lindo rali, o Brasil ficou perto de empatar o jogo ao fazer 24 a 18 em nova jogada de Fê Garay. Adenízia fechou em 25/19.

No tie-break, Porto Rico abriu 2 a 0 em bloqueio sobre Rosamaria. Sacando bem, as portorriquenhas dificultavam a recepção e conseguiam chegar no bloqueio. Assim, colocaram 5 a 2 e Zé Roberto pediu tempo. Vencendo rali impressionante, as caribenhas bloquearam de novo com Ocasio: 6 a 2. Angélica virou bola e diminuiu. Se acertando, a seleção pontuou de novo e voltou para o jogo. Ana Tiemi, no saque, colocou em 6 a 5 a partida. Mari Paraíba empatou na ponta. No bloqueio, Angélica virou: 7 a 6. Joycinha, em novo paredão, ampliou. Na reta final, a seleção conseguiu administrar a vantagem e venceu por 15/11.

Comentários