Atingida por óleo quente desabafa após agressora ser solta: 'Espanto'

A jovem Aline Cristiane dos Reis, de 24 anos, atingida no rosto por óleo quente arremessado durante uma briga com uma amiga em Guarujá, no litoral de São Paulo, em maio deste ano, mostrou-se espantada com a liberdade concedida pela Justiça a Vastiane Karolayne Alves, de 23 anos, autora da agressão.

Vastiane jogou óleo quente em Aline no dia 8 de maio. A vítima sofreu queimaduras de 2º grau, foi socorrida e ficou internada na Santa Casa de Misericórdia de Santos, onde passou por uma cirurgia reconstrutora. Ela recebeu alta no dia 16 de junho. Além de Aline, a filha e o sobrinho de Vastiane também foram atingidos pelo óleo e precisaram ser socorridos. Ela chegou a posar para fotos sensuais enquanto era intimada pelas autoridades, foi presa no dia 19 de maio e libertada 60 dias depois.

A vítima, que ainda se recupera do incidente, acredita que a autora do crime deveria permanecer presa por mais tempo. “Foi um espanto, porque ela fez e tinha que pagar diante da Justiça. A Justiça do homem falha, mas a de Deus não, esse é o meu sentimento”, desabafa Aline.

De acordo com a jovem, as duas ainda não se encontraram depois do crime, mas isso pode acontecer, já que ambas moram no mesmo bairro. “Vamos ter que nos encontrar. Será normal, porque não temo nada. Tenho muita fé em Deus e, por isso, estou firme, apesar das minhas dificuldades”, enfatiza.

Liberdade comemorada
Vastiane foi solta pela Justiça e aguardará o julgamento em casa. Ela usou as redes sociais nesta segunda-feira (20) para comemorar a sua liberdade. “Bom dia, por essas e outras me sinto vitoriosa. Tô de volta”, postou a jovem, que disse estar em casa com os familiares.

O advogado que cuida da defesa de Vastiane desde os primeiros dias explica que, como não houve pedido de prorrogação de sua prisão por parte da Justiça, ela aguardará seu julgamento em casa. “Ela cumpriu 30 dias de prisão temporária e depois mais um mês. Como não houve pedido de prorrogação, ela irá responder em liberdade”, diz Airton Sinto.

Vídeo
Na época do crime, a acusada chegou a gravar um vídeo (veja ao final da reportagem), no qual pedia desculpas pela agressão. Vastiane disse que não tinha a intenção de machucar a amiga.

“Eu jamais faria algo para machucá-la, como aconteceu, ou machucar as crianças. Eu queria dizer que estou muito arrependida com tudo isso e pedir desculpas mais uma vez”, diz a mulher no vídeo postado no Facebook, a pedido de seu advogado.

A jovem também tenta se retratar com a polícia, por ter feito poses sensuais para fotos enquanto recebia uma intimação para prestar esclarecimentos sobre o ocorrido. “Queria dizer que aquela foto minha foi uma infantilidade, que eu respeito a Polícia Civil”, diz.

Versão da vítima
Segundo Aline, ela estava passando pela rua onde Vastiane mora, no bairro Perequê, em Guarujá, quando foi agredida. “Eu estava com a Vitória, minha amiga. Quando a Vastiane me viu, logo veio falar para eu pagar o celular dela, que estava com defeito. Eu falei que não, porque o aparelho era roubado. Mas ela continuou insistindo. De repente, virou do nada, veio pelas minhas costas e jogou aquele óleo quente”, lembra.

Operação
Aline passou por uma complexa cirurgia para reconstruir o rosto. De acordo com os médicos, a operação foi bem-sucedida, e Aline não ficará com muitas sequelas das queimaduras. “Ela fez uma cirurgia no ombro, onde havia sido atingida pelo óleo, e colocou enxerto na testa, para repor a pele no local. No olho, os médicos entenderam que não havia necessidade de cirurgia”, explica a irmã da jovem, Vanessa Cristina Reis.

 

Comentários