Aplicativo de inclusão social criado por pernambucano ganha prêmio na ONU

Depois de ter sido escolhido pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o melhor aplicativo do mundo dedicado a inclusão social de pessoas com deficiência, a tecnologia, criada por um pernambucano, vai ser exportada para países Árabes. O Livox permite que pessoas com vários tipos de dificuldade motora, de fala ou visão possam interagir e se expressar com mais facilidade. A ideia do analista de sistema Carlos Pereira de desenvolver o aplicativo veio da necessidade dele de se comunicar com a própria filha, que teve paralisia cerebral na hora do parto.

A plataforma pode ser personalizada e já oferece 20 mil imagens para que os deficientes consigam estudar, mostrar o que querem e até dizer como se sentem. Em todo o país, mais de dez mil pessoas já utilizam o software, inclusive o Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo. No Recife, cinco mil licenças já foram compradas para atender os estudantes da rede municipal de ensino. Jhonantan, 17 anos, foi o primeiro estudante a utilizar o Livox. Ele tem deficiência mental e com o aplicativo acelerou o processo da alfabetização.

Com a comunicação, o adolescente conseguiu, também, fazer mais amigos. "A vida social dele mudou. Agora, as pessoas entendem o que ele quer", afirma a mãe do jovem. Para o criador do aplicativo, a maior recompensa que ele recebeu não foi o reconhecimento mundial, mas sim, a de saber o que se passa na cabeça da sua filha.

A partir do mês de maio, o Livox será utilizado no Oriente Médio.

Da TV Jornal

Comentários